UM JARDIM DE VASOS EM 5 PASSOS

Eles estão na moda! Novos estilos como o urban jungle estão aí para mostrar que ter um jardim de vasos virou tendência. E eles não são apenas um belo recurso de decoração! Ter plantas em casa traz benefícios incontáveis: elas purificam o ar, renovam as energias e nos ajudam a manter o equilíbrio e a saúde mental, especialmente diante da rotina agitada e tecnológica que temos hoje.

Pode parecer complicado, mas montar o seu próprio jardim de vasos não é difícil. No entanto é preciso dizer: mantê-lo exige disciplina e cuidado! Mas, você pode usar esta rotina de cuidados como o seu momento de escape. Isso mesmo! Você pode aproveitar este tempo para se conectar com a natureza, colocar a mão na terra e relaxar. E aí, se animou?

MONTANDO O SEU JARDIM DE VASOS EM CINCO PASSOS:

1. Escolhendo as espécies

A primeira coisa a fazer é uma avaliação do espaço onde você irá montar o seu jardim: nele há muita ou pouca luz? É um local com bastante ou pouca ventilação? Isso determinará quais espécies mais indicadas para cada caso. Nesta fase, uma boa pesquisa na internet ou contratar um paisagista profissional ajuda muito.

Algumas sugestões para cada tipo de ambiente:

Sombra: samambaia, cactos, suculentas, iuca, árvore-da-felicidade, espada de São Jorge, peperômia, ciclanto, camedórea-elegante, palmeira ráfia, costela-de-adão, jiboia.

Pouca luz: pleomele, palmeira-leque, palmeira chamedorea, zameoculca.

Mais luz: babosa, pacová, crassula, agave, ave do paraíso, dasilírio.

2. Tamanho e modelos dos vasos

Nem todo vaso serve para todo tipo de planta! A primeira coisa a saber é qual o tamanho médio que cada espécie terá. Aqui vale o óbvio: plantas menores em vasos menores e plantas grandes, em vasos maiores. Isso porque se uma planta maior estiver em um vaso pequeno ela até se desenvolverá por um tempo, mas a falta de espaço prejudicará o desenvolvimento das raízes, o que possivelmente levará à sua morte.

Qual material devo escolher?

Barro ou cerâmica: são bastante resistentes ao tempo e tem um aspecto rústico interessante. Mas, são pesados e podem ressecar se expostos muito tempo ao sol. Eles absorvem parte da água colocada na planta, então o ideal é que sejam usados para plantas que exigem menos água ou que a rega aconteça com mais frequência.

Madeira ou bambú: são resistentes e leves, dependendo do tamanho. São muito utilizados como cachepô, pois demandam o uso interno de um outro vaso, como de plástico, por exemplo.

Metal: tem um custo mais alto, mas são leves e tem longa duração. Existem modelos muito atrativos e dependendo do ambiente ficam muito bons na decoração.

Concreto ou cimento: são mais usados para áreas externas, pois apresentam longa durabilidade e são mais pesados e difíceis de transportar.

Polietileno: também tem um custo mais alto, mas são de fácil manutenção, leves e com diversas possibilidades de acabamento.

Plástico: são leves, baratos e disponíveis em diversos tamanhos e formatos. São ótimos para serem utilizados sozinhos ou internamente em vasos ou cachepôs, mas não devem ser utilizados em locais com muito sol pois podem aquecer demais a planta e ressecar o substrato.

3. Montando o vaso

O primeiro passo é garantir a drenagem: o vaso tem que ser furado. Após isso, ele deve receber uma camada de argila expandida e manta geotêxtil, para que todo o excesso de água drene e não acumule, apodrecendo a planta.

Depois é hora do substrato, que é onde você vai enterrar a muda. O uso de terra não é recomendável, pois ela se compacta e sufoca as raízes. O substrato é composto por diversos materiais em proporções adequadas como terra vegetal, casca de arroz, casca de pinus carbonizadas, calcário e areia. Isso gera um alto valor de nutrientes e deixa ele soltinho o suficiente para um bom desenvolvimento das raízes.

Por último, é só posicionar a sua muda, enterrando-a delicadamente o suficiente no substrato. Para finalizar, regue até perceber que todo o substrato do vaso ficou bem úmido, mas sem encharcar.

Você ainda pode fazer um acabamento com casca polida ou de pinus, pedrinhas, argila expandida ou musgo desidratado. Isso é bom pois ajuda a manter a umidade do substrato.

4. Irrigação

Nem toda planta tem a mesma necessidade hídrica, mas todas elas precisam de água. Até as suculentas! Irrigue pelo menos uma vez por semana ou mais se o substrato do vaso estiver seco. A dica é colocar o dedo nele, se sair limpo, a planta precisa de água.

5. Adubagem

A adubagem das folhas e da raiz deve acontecer a cada início de estação, para manter a planta forte, bonita, livre de doenças e com a quantia suficiente de nutrientes.

Existem vários tipos e formatos de adubos (lembre-se de sempre consultar proporções e quantidades na embalagem!):

Em pastilha ou granulados: é só colocar sobre o substrato do vaso e depois regar para diluir. Se no vaso houver acabamentos como cascas ou pedras, é preciso removê-los, fazer a adubagem e, depois, recolocá-los.

Líquidos concentrados ou para diluir: basta fazer a mistura, colocar no borrifador e borrifar cada vaso. Mesma coisa acontece com o adubo farelado, em que você dissolve o pó no borrifador.

Adubos orgânicos: existem vários tipos e você até pode fazer em casa. Um dos mais famosos e eficientes é o bokashi. Ele é um fermentado de materiais orgânicos cheio de nutrientes e pode ser usado em todos os tipos de plantas.

[ Bônus track ]

Como fazer uma composição harmônica e atraente?

Trabalhe a volumetria, formatos e cores: se você for montar uma mesa ou bancada com os vasos, por exemplo, use modelos de diferentes alturas, mais baixos na frente e mais altos atrás. Você pode regular a altura usando suportes comprados prontos ou objetos que você já tenha em casa como troncos de árvores e vasilhas de cerâmica ou de vidro que já não tenham mais utilidade. Opte por vasos claros para plantas com flores e vasos escuros para plantas verdes.

Abuse dos acessórios: você pode pendurar parte dos vasos com cordas coloridas ou de material mais rústico como barbante de juta, por exemplo. Pode ainda colocar os vasos em cachepôs de diversos materiais, caixotes de madeira, degraus de escadas. Aqui a imaginação pode rolar solta, o importante é tentar manter a harmonia visual.

Adicione outros itens de decoração ao espaço: móveis adequados ao estilo que você escolheu, quadros de plantas e objetos em tons de verde ou que remetam à natureza dão mais destaque ao espaço e ajudam na composição.

Posts Em Destaque
Posts Recentes